PATENTE | Que tal Pensarmos?

Categories: Artigos

Hoje pensaremos em 1ª Timóteo 5.24,25.

Quando olhamos a palavra “patente”, logo vem à memória o registro de alguma coisa, certo? Entretanto, patente tem outro significado: “que não deixa dúvida, claro, evidente”. Há uma antítese interessante neste texto: existem pessoas que não conseguem esconder seus pecados: eles são claros, evidentes, patentes. Existem outras pessoas que camuflam suas sombras interiores enquanto permitem que elas cresçam. Um dia, fatídico dia, elas se mostram – e isso é bom! O contraponto é que existem pessoas cujas boas obras estão claras, evidentes, patentes, mas há outras cujas boas obras estão ocultas – e isso não é bom! Vamos pensar sobre isso?

Uma vez ouvi uma ilustração ótima: pense em uma pessoa que tem um carro bom e possante, com o tanque cheio, em uma estrada com limite de velocidade de 150Km/h, mas na direção errada. Qual a melhor coisa que pode acontecer a esta pessoa? Um acidente. Não um acidente louco, claro, mas algo que o forçasse a parar. Ele vai para o acostamento e um outro motorista para e pergunta: “precisa de ajuda?”, ao que ele responde: “quanto falta para São Paulo?”. O outro motorista surpreso fala: “moço, esta estrada não vai para São Paulo não. A que vai é a do lado de lá”. Conseguiu entender? Geralmente pensamos que estes tais de “pecados que se manifestam posteriormente” são para destruirmos com mais gosto o miserável pecador, para saborearmos com mais prazer a sua condenação; não, nada disso! A manifestação do pecado é o acidente que abre a porta para a mudança de caminho. Se aquele que cometia o pecado é filho, ele entenderá sua situação e buscará, em Deus, força para mudar. E se não for filho? Aí cairá no começo do verso 24: “Os pecados de alguns são evidentes, mesmo antes de serem submetidos a julgamento…” (1 Timóteo 5.24). Aquele que peca descaradamente, sem pudor, sem arrependimento, não é filho de Deus.

O outro ponto, entretanto, também é interessante: e aquela pessoa que pratica boas obras mas as deixa ocultas? Aqui parecemos encontrar um dilema, não? Se, por um lado, temos Mateus 6.3,4 “Mas quando você der esmola, que a sua mão esquerda não saiba o que está fazendo a direita, de forma que você preste a sua ajuda em segredo. E seu Pai, que vê o que é feito em segredo, o recompensará.”, temos também 1ª Timóteo 5.25 “Da mesma forma, as boas obras são evidentes, e as que não o são não podem permanecer ocultas.”. Como conciliar as duas coisas? Aqui temos dois assuntos distintos: ego e testemunho. Se eu pratico boas obras para ser louvado, se minhas esmolas são para comprar elogios, então de nada valem para o Reino. O necessitado continua sendo ajudado, o enfermo continua recebendo cuidado, mas a minha recompensa já foi dada. A questão é que, sem testemunho, não há propagação do Evangelho. O Evangelho é tão poderoso, é tão desconcertante, porque muda radicalmente a vida das pessoas – você e eu somos testemunhas disso! Milagres de cura são fantásticos, operações sobrenaturais são impressionantes, mas o que nos toca ao ponto de chorarmos é uma vida transformada; este é o maior milagre de todos. Ver um marido que era bêbado e espancador transformar-se em um homem romântico e dedicado à sua esposa e aos outros é um milagre. Ver uma esposa que era má, maldizente, cruel, tornar-se uma esposa amorosa e mãe dedicada é um milagre. O Evangelho não muda a nossa vida apenas para o porvir; transforma-nos para que sejamos bênção aqui e agora. Isso não pode ficar escondido, não pode ficar oculto!

“Vocês são o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, como restaurá-lo? Não servirá para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens. Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Pelo contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus”. Mateus 5.13-16

Não viva uma vida de pecados dos quais você já foi liberto. Viva uma vida de boas obras. Não anuncie as suas boas obras para receber louvor. Deixe que as suas boas obras brilhem como uma luz por onde você for. Fazendo isso, sua vida será um instrumento de glória para Deus e testemunho para os homens.

 


Você sabia que o “Que Tal Pensarmos?” virou livro? Confira em: www.ibmsj.com.br/que-tal-pensarmos-1

 

Graça e paz.

 

Compartilhe esse link:
Author: Davi Pessanha

Eu sou aquele cara… aquele mesmo. Isso! Lembrou? Não? Tá, deixa pra lá… ^_^